Aposentado; Professor de Física na FFCL da USP de Ribeirão Preto - SP; Perito em acidente de trânsi

domingo, 18 de junho de 2017

dan2010: Erário rima com sacrário

dan2010: Erário rima com sacrário: Erário rima com sacrário CARLOS AYRES BRITTO  ===  "Com vocês a senhora ética" 18/06/2017    † –      … Ω †      …  †   ≪ ...

Erário rima com sacrário

Erário rima com sacrário
CARLOS AYRES BRITTO  ===  "Com vocês a senhora ética"
18/06/2017  
            ≪ ≫             vu            vu        vu
É de Albert Einstein este categórico juízo: "A imaginação é mais importante que o conhecimento". De Mário Quintana, esta conhecida metáfora: "A imaginação é a memória que enlouqueceu".
Pelo que passei a imaginar como a "Ética" escreveria um texto sobre si mesma, no torvelinho da atual quadra histórica do Brasil. Deu nos escritos que seguem:
"Ética é meu nome. Ora me chamam de "ciência da moral", ora de "moral" mesma. Seja como for, o que me define é ser a única trilha para a conduta das pessoas de caráter. Aquelas que são unha e carne com a verdade. Mais até, aquelas pessoas que têm como primeira religião o total respeito pelo que pertence a terceiros.
Em especial, o completo, o devocional respeito pelos "dinheiros, bens e valores públicos" (parágrafo único do art. 70 da CF/88 abaixo). Com o que desponta clara a rima entre erário e sacrário.
Ser dura na queda é outra das minhas caraterísticas. Radicalizo na afirmação: eu não desisto nunca! Eu nunca jogo a toalha!
         O pugilato é o ar que respiro, porque sempre me puxam o tapete. Sempre há quem viva para me ver morta. Eu ali muito abaixo dos sete palmos de chão. Mesmo sabendo, meus inimigos, que não vim ao mundo para servir de pasto aos vermes. Ainda que sabendo, meus antagonistas, que sou o oposto da lama, do visgo, do sujo, do lodo.
Mesmo sabendo, cada um deles, que só existo, tal qual o poeta Castro Alves, para fitar os Andes. Eu, irmã e ímã do sol a pino. Eu, arquiteta da fronde das árvores, engenheira das mais altas varandas da consciência.
         Por isso que tenho tudo a ver com vergonha na cara. Por isso é que tenho sangue nas veias e vontade de ferro. Persistência em mim é como tatuagem na alma. Não vou desistir jamais de um dia chegar à porta dessa imensa casa de nome "Política", para encontrar o quê? Uma placa de "Entre sem bater". Não como cortesia dela, porém como direito meu.
Direito meu? Assim está na cabeça do art. 37 da CF88 abaixo, entre muitos outros dispositivos dela. Donde a consequência de que parlamentos e tribunais não têm como deixar de me reconhecer e aplicar.
Os que me derem as costas irão bater de frente com as mais claras e vigorosas normas constitucionais. Todas mais e mais acessíveis ao direto entendimento do povo, porque também mais e mais familiarizado com elas.
O povo, sim, pois finalmente o Brasil já surfa na crista de uma era que o jurista alemão Peter Häberle bem etiquetou como "A Sociedade Aberta dos Intérpretes da Constituição". Todo o povo, sim -falo pela segunda vez-, pela percepção de que eu sou um princípio-dever do Estado e um correlato princípio-direito dos cidadãos. Dever de lá, direito de cá.
Falo um pouco mais de mim. Isso para ajuntar que só ali onde eu impero é que há vida social civilizada. Que o meu desafio maior, estruturalmente falando, é dinamitar as vigas todas desse tal de "patrimonialismo". Persistente ninho desta venenosa serpente de três cabeças: corrupção sistêmica, desperdício desbragado de tudo que é dinheiro do Estado, corporativismo.
Por isso que devo insistir: meu nome é "Ética". Se você tem identidade comigo, abanque-se. Venha sentar-se a meu lado e ser 'um comigo'. Um só corpo, uma só consciência, uma só alma. Assim é que o mais cristalino espelho da história passará a refletir o unitário rosto de quem já não tem o menor motivo para corar de vergonha.
Concluo esta minha fala com um outro pensamento de Einstein: 'Quando a mente humana se abre para uma nova ideia, impossível retornar ao tamanho inicial'. Digo o mesmo quanto à ideia coletiva de que eu vim para ficar. Ideia coletiva, essa, de que farei o meu escudo, o meu aríete, a minha catapulta.
Aqui e em todo lugar onde o direito vier a me consagrar como uma das suas mais fortes razões de se dar ao respeito. Como verdadeira condição e elemento conceitual da própria Justiça".
Pronto! Nada mais disse a minha imaginação nem lhe foi perguntado. Mas não posso deixar de acrescentar que foi precisamente a ética o núcleo denso desta sentença de Thomas Jefferson: "A arte de governar consiste exclusivamente na arte de ser honesto".
Alfio Bogdan - Físico e Professor - analista em acidente de trânsito
Folha de SPaulo pág. 03 A
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.
Art. 70. A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder.
Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

terça-feira, 13 de junho de 2017

dan2010: Usar o Estado em sua própria defesa é atacar a DEM...

dan2010: Usar o Estado em sua própria defesa é atacar a DEM...: Presidente nega com veemência que mobilize organismos públicos em interesse próprio, mas precisa provar com atos que não se vale mesmo de r...

Usar o Estado em sua própria defesa é atacar a DEMOCRACIA.

Presidente nega com veemência que mobilize organismos públicos em interesse próprio, mas precisa provar com atos que não se vale mesmo de recursos de ditaduras.
Não se pode menosprezar a capacidade do presidente Michel Temer e de seu grupo de atuarem nos desvãos de Brasília para se manter no poder. A vitória obtida no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por 4 a 3, contra o pedido de cassação da chapa que Temer formou com Dilma Rousseff, contou com dois votos de ministros indicados há pouco tempo pelo governo — Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira. Prova de clarividência e do faro estratégico do bunker em que se transformou o Planalto, para levar o presidente até 31 de dezembro de 2018, a salvo de perigos. 
Se o julgamento desmoralizou a Justiça Eleitoral, diante do oceano de provas de uso de dinheiro sujo pela chapa, também sinalizou que a decisão de Temer e grupo de resistirem a qualquer custo parece não ter limites. Isso preocupa. Na própria sexta, quando o tribunal inocentou Temer e Dilma, a revista “Veja” informou que, do contra-ataque desfechado pelo Planalto, constaria a Lava-Jato como alvo. No caso, o ministro Edson Fachin, do Supremo, relator, na Corte, dos processos derivados da investigação, e responsável pela homologação da delação de Joesley Batista, do grupo JBS, que tantos danos causou ao presidente. 
Em um caso inominável de uso da máquina do Estado em proveito próprio, o presidente teria mobilizado a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para produzir um dossiê contra o ministro. Pelo menos uma das linhas exploradas pela espionagem seria a suposta proximidade de Fachin com o JBS. A presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, reagiu no tom devido, tachando a devassa de “própria de ditaduras” e “gravíssimo crime contra o Supremo Tribunal Federal, contra a democracia e contra as liberdades”. O Planalto divulgou nota de desmentido, além de o próprio Temer telefonar para a ministra.
Ontem, a presidente da Corte, por meio de assessores, deu voto de confiança a Temer — “não há o que questionar quanto à palavra do presidente da República”. Temer, ainda, divulgou vídeo com desmentido veemente.
Esta grave faceta que a crise em torno de Temer revela não para aí. Por óbvio, os organismos de Estado devem agir diante das falcatruas relatadas por Joesley, mas há um movimento de braços do governo para estrangular o JBS como empresa — e este não é objetivo da legislação sobre acordos de leniência e de colaboração premiada.
Este jornal criticou a excessiva benevolência com que a Procuradoria-Geral da República premiou os irmãos Joesley e Wesley Batista por suas delações, sem um dia sequer de prisão, mesmo domiciliar, e com a permissão de viajarem para o exterior. Não se aceita é retaliação, própria do autoritarismo. Para reforçar os temores, um ministro do Supremo, Luís Roberto Barroso, em solenidade, sexta, no Tribunal de Justiça do Rio, se referiu ao enorme poder do Estado brasileiro, “quando quer se vingar de alguém”. E citou o caso do JBS: “ninguém tem dúvida de que vai virar terra arrasada”.
Por tudo isto, e mais o que poderá vir, Temer e o governo têm de dar demonstrações cabais de não repetir práticas de ditaduras, como citou a ministra Cármen Lúcia. Deveria se comprometer, por exemplo, na substituição de Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República, a escolher o primeiro colocado na lista tríplice que receberá. Como fizeram Lula e Dilma, por sinal.
Alfio Bogdan - Físico e Professor - analista em acidente de trânsito.
O Globo - Brasil247 


sábado, 3 de junho de 2017

dan2010: Aguerridas Gleisi Hoffmann e Érika Kokay duas mulh...

dan2010: Aguerridas Gleisi Hoffmann e Érika Kokay duas mulh...: PT com Gleisi ao lado de outras mulheres dirigentes:— A eleição da senadora  Gleisi Hoffmann  ...

Aguerridas Gleisi Hoffmann e Érika Kokay duas mulheres a representar a força combativa



PT com Gleisi ao lado de outras mulheres dirigentes:—
A eleição da senadora Gleisi Hoffmann como a primeira mulher presidenta nacional do PT foi comemorada pela militância petista, ao final do “ 6º Congresso Nacional do PT – Marisa Letícia Lula da Silva”, na noite deste sábado (3).
A jovem maranhense Graciele Muniz, destacou a simbologia do PT eleger uma mulher para a presidência da legenda, após ter sido o partido que elegeu a primeira mulher presidenta da República, Dilma Rousseff.
“Assim como Dilma foi protagonista, sendo a primeira mulher presidenta da República, agora nós reafirmamos a mulher dentro do PT com Gleisi. E viemos ao Congresso eleger uma mulher e uma mulher que representa realmente todas as mulheres do PT”, declarou.
A dirigente estadual do partido no Maranhão também destacou que a eleição de Gleisi oxigena a militância para ir às ruas e dizer que as mulheres são aguerridas e estão firmes na luta.
“Eu parabenizo a Gleisi e digo a ela que juntas vamos construir esse novo momento para o PT”, completou.
Para o militante do Distrito Federal, Pedro Henrichs, a eleição da senadora é um marco para o PT. Ele lembrou que no DF também foi eleita uma mulher presidenta do diretório distrital, Érika Kokay.
“Gleisi é um quadro dirigente que vai falar para fora do partido com muito mais respaldo e com uma credibilidade muito maior. Isso faz com que não só a presidência, mas a montagem dessa nova executiva seja com quadros muito mais qualificados, liderados por uma mulher que foi fundamental nesse processo de defesa do legado do PT quando nós fomos governo desse País”, afirmou.
Processo democrático:—
Os candidatos que também concorreram à presidência do PT, o senador Lindbergh Farias e o representante do movimento negro José de Oliveira também comentaram a vitória de Gleisi.
Lindbergh destacou o momento de unidade e força do partido, com mais um processo interno democrático.
“Gleisi será uma grande presidenta. Temos tem grande identidade, porque Gleisi tem uma postura que a gente concorda, muito combativa, de enfrentamento. Vamos apoiá-la muito na Presidência do PT”, apontou.
De acordo com o senador pelo Rio de Janeiro, a unidade do PT será fundamental para enfrentar as grande tarefas do próximo período.
“Mobilizar o povo para as Diretas, não participar desse colégio eleitoral, e construir a candidatura do nosso presidente Lula para voltar ao Palácio do Planalto. Eu saio muito animado daqui”, concluiu.
O pernambucano José de Oliveira enfatizou que as três candidaturas tinham marcas importantes para a renovação do PT.
“Conseguimos estabelecer o debate que tinha três segmentos fazendo valer o seu espaço. Lindbergh fazendo o seu recorte mais com a juventude, eu fazendo o recorte mais da questão racial, e Gleisi representando, de forma mais que justa, a maioria de mulheres que a gente tem no PT”.
Já o então presidente do PT, Rui Falcão, usou as redes sociais para parabenizar a nova presidenta.
“Gleisi foi escolhida neste sábado pela maioria dos delegados presentes ao 6º Congresso Nacional do PT Marisa Leticia Lula da Silva. Nossa senadora será a primeira mulher da história a dirigir o partido”.
Sobre a Frente Nacional:—
O coletivo Frente Nacional de Juristas pela Democracia começou a agir no período do golpe contra a presidentaDilma Rousseff e ganhou força após a condução coercitiva do ex-presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro. A ação foi amplamente criticada por juristas de todo país, bem como outras práticas no âmbito da Lava Jato. O jurista Celso Bandeira de Mello, um dos mais respeitados do país, chegou a declarar que Moro contribui para o descrédito da Justiça brasileira.
Agencia PT
Alfio Bogdan - Físico e Professor - analista em acidente de trânsito.

domingo, 28 de maio de 2017

dan2010: Diretas Já!

dan2010: Diretas Já!: Neste Congresso, .... sei não... Com exceção dos segmentos mais à esquerda, todas as demais lideranças partidárias se declararam contra as...