Aposentado; Professor de Física na FFCL da USP de Ribeirão Preto - SP; Perito em acidente de trânsi

domingo, 21 de maio de 2017

dan2010: A democracia se aperfeiçoa após crise política...

dan2010: A democracia se aperfeiçoa após crise política...: Crise política é processo de aperfeiçoamento da democracia, diz Ayres Britto Versão para impressão Daniel Mello - Agência Brasil – 0...

A democracia se aperfeiçoa após crise política...

Crise política é processo de aperfeiçoamento da democracia, diz Ayres Britto


Daniel Mello - Agência Brasil – 06-03-2017


Ayres Brito disse que finalmente a democracia "resolveu altivamente sair do armário” José Cruz/Agência Brasil


O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Ayres Britto disse hoje (6/3/17), ao participar de um debate sobre o equilíbrio entre os Três Poderes, promovido pela Federação do Comércio de São Paulo, que a crise política pela qual o país passa é um processo de “purgação” e aperfeiçoamento da democracia. “Essa democracia [que], finalmente, não aceita mais escamoteação... [e] que começa a se dar o respeito. Uma democracia que resolveu altivamente sair do armário”, destacou.

“Nesse contexto transicional, a democracia experimenta uma fase de fadiga. Como que por cansaço democrático, a coletividade experimenta uma desagradável sensação de torpor, de desorientação. Uma espécie de desalento, de descrédito”, afirmou. Ele  disse que acredita que o processo político atual, com denúncias de corrupção vindo a público constantemente, é um período de transição importante para o amadurecimento político do Brasil.

Liberdade e transparência
Um dos principais elementos que catalisam essa mudança é, segundo Ayres Britto, a liberdade de atuação dos veículos de comunicação. “A plenitude de liberdade da imprensa está desaguando nesse tipo ideal turbinado de cidadania. Tudo vem a lume, transparência. Estamos excomungando a cultura do bastidor. [É] por isso que a crise está sendo tão conhecida, tão estudada, debatida, desnudada”, ressaltou .
Para o ex-ministro, existem ainda resistências dos setores da sociedade que se beneficiavam da corrupção. “A velha ordem, autoritária, corporativa, corrupta, perdulária de recursos públicos... é teimosa, malandra, insidiosa, resistente e não joga a toalha.”

Ayres Britto ressaltou a importância do julgamento da Ação Penal 470, conhecida como o processo do mensalão, do qual participou como ministro do STF, para mudar certas relações na sociedade. “A partir do mensalão, o princípio republicano de que todos são iguais perante a lei chegou para o direito penal. E moradores do andar de cima da sociedade passaram a responder por suas malfeitorias vendo o sol nascer quadrado, inclusive.”

Crise é internacional
Para o professor  Joaquim Falcão, diretor da Faculdade de Direito da Fundação Getulio Vargas, o processo pelo qual o Brasil passa faz parte de uma conjuntura internacional. Para Falcão, o desencanto com o sistema político ocorre em várias nações, e “a democracia está em risco em todos os países”.

“Todos com um problema comum, que é a corrupção. A corrupção não é invenção brasileira”, citou. “Dois candidatos a presidente da França [Marine Le Pen e François Fillon] são acusados de algum tipo de corrupção. E sabe o que ocorreu? Eles dizem que vão continuar candidatos. A gente está muito perto de tudo”, afirmou.

Falcão disse que é necessário encontrar as raízes das mazelas, em vez de simplesmente focar em um grupo de culpados. “Se a gente não enfrentar a corrupção do mercado e das empresas, não vai adiantar nada. O problema não é a corrupção do político, ou do empresário, ou do candidato. O problema é a relação que se formou entre os três.”
Alfio Bogdan - Físico e Professor - analista em acidente de trânsito
Fonte: EBC. 

sábado, 13 de maio de 2017

dan2010: O fascismo de agora assombra o Brasil...

dan2010: O fascismo de agora assombra o Brasil...: É cada vez mais consensual nos meios políticos, intelectuais e jurídicos honestos que o tal do “mensalão” teve um julgamento de exceção. Evi...

O fascismo de agora assombra o Brasil...

É cada vez mais consensual nos meios políticos, intelectuais e jurídicos honestos que o tal do “mensalão” teve um julgamento de exceção. Evidente que a maioria dos Ministros do STF fez desse julgamento um espetáculo político para destruir a imagem do PT. [Jeferson Miola]

►Nada mais que terrível é subtrair-se dos réus uma garantia basilar do estado democrático de direito: ►o duplo grau de jurisdição◄.


►A teoria do “domínio do fato”, aplicada, para julgar e punir os nazistas, atributo emprestado, pasmem, ao sistema jurídico brasileiro para a condenação como decidida pelo relator Joaquim Barbosa, numa clara demonstração de ódio e “animus” condenatório [ainda sem provas cabais].


|Estigmatizar quem quer que seja e a qualquer preço, desde o neto de Dilma à dona Marisa Letícia, embora a distância seja enorme, o objetivo é o mesmo. Lá para atingir Dilma e aqui para atingir Lula. Objetivo? Torná-los frágeis diante da fúria daqueles que foram derrotados pelas urnas.


|Vivemos momentos do fascismo que veio para ficar. Além dos estigmas mencionados fala-se em abaixo-assinado imoral, lógico, para cassar, pasmem, o registro da OAB do advogado de Lula, Doutor Cristiano Zanin Martins. Digno de todos elogios, é profissional de dedicação fantástica que conta com a indecência precários prazos e não deixa de cumprir com todos eles e ainda dá satisfação à mídia demonstrando esmerada educação e fidalguia tão em falta no Brasil de agora. Não se encontra em qualquer de suas defesas expressões que pudessem promover desconforto. Defende seu cliente com uma eficácia que a todos impressiona, mesmo que lhe seja imputado prazo escandaloso – cinco dias – para analisar denúncia em 8500 laudas em novo processo. 


| Não foi suficiente a devassa sofrida em seu lar (de dona Marisa), vasculhado por policiais, na vida privada invadida, na pressão sobre filhos e netos. Não bastaram os grampos injustificados e as acusações sem provas que corroeram sua saúde. A revista Veja julga ser necessário ferir sua memória, atingindo tudo o que ela mais amou. Essa campanha perversa e sórdida de destruição da imagem do ex-presidente Lula usa do que há de pior no jornalismo para levantar as mais perversas calúnias e falsidades. [Dilma Rousseff]


Alfio Bogdan - Físico e Professor - analista em acidentes de trânsito

domingo, 7 de maio de 2017

sábado, 6 de maio de 2017

dan2010: Sim, somos, por quê não? São cinco os pontos econô...

dan2010: Sim, somos, por quê não? São cinco os pontos econô...: Respeitando o tempo na política - distinto do tempo das pessoas - intelectuais e políticos de boa-fé no democrático espaço da Faculdade do ...

Sim, somos, por quê não? São cinco os pontos econômicos!

Respeitando o tempo na política - distinto do tempo das pessoas - intelectuais e políticos de boa-fé no democrático espaço da Faculdade do Largo de São Francisco  - mais uma vez -  foi palco da democrática manifestação  de  mais uma das parcelas de boa-fé. Entre tantos, ali esteve o senador Lindbergh puxando a  fila.  

Para termos desenvolvimento econômico, precisamos de investimentos públicos (financiados por poupança pública) e principalmente investimentos privados. E para os termos precisamos de uma política fiscal, cambial socialmente responsáveis; precisamos juros baixos e taxa de câmbio competitiva; e precisamos ciência e tecnologia.

Para termos diminuição da desigualdade, precisamos de impostos progressivos e de um Estado de bem-estar social amplo, que garanta de forma universal educação, saúde e renda básica. E precisamos garantir às mulheres, aos negros, aos indígenas e aos LGBT direitos iguais aos dos homens brancos e ricos.

Para termos proteção do ambiente, precisamos cuidar de nossas florestas, economizar energia, desenvolver fontes renováveis e participar do esforço para evitar o aquecimento global.
Neste manifesto inaugural estamos nos limitando a definir as políticas públicas de caráter econômico. Apresentamos, assim, os cinco pontos econômicos do Projeto Brasil Nação:

1 Regra fiscal que permita a atuação contracíclica do gasto público, e assegure prioridade à educação e à saúde
2 Taxa básica de juros em nível mais baixo, compatível com o praticado por economias de estatura e grau de desenvolvimento semelhantes aos do Brasil
3 Superávit na conta corrente do balanço de pagamentos que é necessário para que a taxa de câmbio seja competitiva
4 Retomada do investimento público em nível capaz de estimular a economia e garantir investimento rentável para empresários e salários que reflitam uma política de redução da desigualdade
5 Reforma tributária que torne os impostos progressivos
Esses cinco pontos são metas intermediárias, são políticas que levam ao desenvolvimento econômico com estabilidade de preços, estabilidade financeira e diminuição da desigualdade. São políticas que atendem a todas as classes exceto a dos rentistas.

A missão do Projeto Brasil Nação é pensar o Brasil, é ajudar a refundar a nação brasileira, é unir os brasileiros em torno das ideias de nação e desenvolvimento – não apenas do ponto de vista econômico, mas de forma integral: desenvolvimento político, social, cultural, ambiental; em síntese, desenvolvimento humano. Os cinco pontos econômicos do Projeto Brasil são seus instrumentos – não os únicos instrumentos, mas aqueles que mostram que há uma alternativa viável e responsável para o Brasil.

Alfio Bogdan - Físico e Professor - analista em acidente de trânsito
Fonte: Viomundo

vídeo do https://youtu.be/DducwP3lgIo  encontro